8.11.07

Fraquezas no PSD...Forças no CDS

No fim de mais uma discussão politico-orçamental, para lá, muito para lá, da concordância ou não com os números, os métodos, os objectivos e a política inscritos no OE 2008, ficou algo de muito preocupante; o fraco desempenho e a ausência de leitura política do PPD/PSD. Assim e a saber:
i) O CDS/PP apresentou-se muito bem preparado para a discussão política mais que orçamental esperada, sabido antecipadamente que o OE estava, per se, aprovado pela maioria absoluta PS tirando largo proveito do anunciado frente-a-frente S. Lopes/J.Sócrates, para ter, às cavalitas destes, um número inusitadamente alargado de ouvintes;
ii) Tem o CDS/PP o mérito, ainda, de ter preparado um discurso político maduro, numa mistura de verdade e realidade (com alguns salpicos demagogos), fundamentais na discussão de ideias, provando conhecimento do "terreno" e tocando nas dificuldades nacionais. Acresce que os quadros humanos do partido são, reconhecidamente, escassos, projectando-se assim uma certeza indesmentível: esta discussão do OE 2008 deu muito trabalho a muito poucos;
(iii) Do outro lado, a estranheza de verificar quão mal preparado se apresentou o PPD/PSD. Vazio no discurso político, sem ideias, com dificuldade em se afirmar na discussão, o partido mostrou estar em grande convulsão;
(iv) A falta de ideias do PPD/PSD não pode advir da ausência de capital humano, que até é reconhecidamente mais rico do que aquele de que dispõe o PS. Se naõ é por falta de capital intelectual só pode ser por um somatório de razões, entre as quais se destacarão as divisões internas, o cansaço de uns, o fastio de outros, a verificação das políticas erráticas e, ainda, pela convicção interna, gerada atabalhoadamente pela direcção do partido, nas expectativas colocadas no desempenho do Presidente da República, redundando num espírito de cria abandonada;
(v) Foi assim, com a imagem de cão abandonado à chuva, que o PPD/PSD se apresentou, de nada valendo o recurso a um tribuno reconhecido como Pedro Santana Lopes. Porque a hora não era de improviso nem de verbo eleitoral; a hora era feita de saber, de estudo, de preparação séria, de leitura atenta de todo o OE e, igualmente, de aproveitamento das fraquezas discursivas do Primeiro-Ministro, que há muito padece do mal de gostar mais de se ouvir do que escutar (esteve muito bem P. Portas). O PPD/PSD não fez o trabalho de casa e mais não se podia pedir a Santana Lopes. Mais, não fazendo o partido o tpc, Santana ficava forçosamente exposto, como ficou, dando ainda de si uma ideia de fragilidade política, que fácilmente se casa com o passado recente. Tem muito que pensar Pedro Santana Lopes: a calçada está poída e inclinada. É bom que veja onde e como pisa.
.
A solução era pegar na vaidade e na repetição discursiva do PM e enveredar por discurso inovador. Foi o que fez o CDS/PP. Foi o que fez Paulo Portas.
Tivesse Portas metade dos ícones que orbitam no PPD/PSD e pergunto-me onde chegaria o CDS/PP.

1 comentário:

BlahBlahBlah disse...

Wow!
Acho que é a primeira vez que concordo a 100% consigo após a leitura de uma análise política!

Gostei muito.

"Tivesse Portas metade dos ícones que orbitam no PPD/PSD e pergunto-me onde chegaria o CDS/PP". - Pois também eu, porque esse ao menos aplica-se a fundo na leitura, estudo e compreensão das matérias e dos dossiers. E não há hoje um só militar que não diga que PP foi o melhor ministro da Defesa de sempre :)